Protocolo Sanitário COVID-19 de operação das Atividades de Aventura de Brotas – SP.

 

Protocolo produzido pela ABROTUR, Associação de Empresas de Turismo de Brotas e Região, e aprovado e chancelado pelo Gabinete de Enfrentamento do COVID–19 da Prefeitura Municipal da Estância Turística de Brotas.

Secretário de Turismo da Estância Turística de Brotas: Fabio Pontes Ferreira

 

Referências

  • Este documento apresenta recomendações e determinações para reduzir o risco de contaminação por COVID-19 em atividades de aventura, considerando as particularidades do ambiente e organização dos espaços.
  • Aqui estão apresentadas medidas mínimas necessárias para a operacionalização das atividades de aventura, as quais podem ser adaptadas e personalizadas para se adequar às condições do meio e logística de cada parque de aventura ou agência.
  • As normas contribuem para reduzir o risco de transmissão do COVID-19 durante experiências em parques e atividades de aventura, adotando uma abordagem estatística. Cada proprietário ficará responsável de adotar as medidas sanitárias restritivas, assim como a adoção de medidas mais severas na mesma área sabendo que isso contribui para uma redução maior dos riscos de maneira mais efetiva.
  • O conteúdo deste documento reflete o conhecimento científico sobre o COVID-19 até o momento da produção do mesmo.

 

Informações Gerais

  • Mantenha-se informado da situação da epidemia e medidas de contenção comunicadas nos canais oficiais da Prefeitura da Estância Turística de Brotas.
  • Escolha um colaborador do quadro de funcionários para seguir a implementação e controle das medidas de restrições adotadas.
  • Adote um procedimento específico a seguir em caso de manifestação de sintomas entre o público e colaboradores (indivíduos com febre, problemas respiratórios, etc) decidindo “quem faz o quê” e quais autoridades contatar.
  • Exiba sinalização adequada na entrada, ao longo das trilhas, sanitários e outras instalações.
  • Garanta equipamentos de proteção aos funcionários (luvas de latex, máscaras e viseiras)
  • Disponibilize higienizadores líquidos para limpar superfícies e também para uso pelo público em diversos locais do parque.

 

Definições

 

Distância entre indivíduos

  • 3 metros sem máscara nas atividades aquáticas
  • 1,5 metros com máscara
  • Reduzida quando necessário para operações específicas (ex: resgate, inspeção de equipamentos)

 

Opções de produtos para higienização

  • Alvejante ou solução com base de 1% de cloro ativo
  • Álcool 70%
  • Água e sabão
  • Higienização com vapor 120<T<150º a 10-15 cm por 5 a 8 seg em cada parte

 

Riscos

  • Encontro – Contato próximo entre pessoas
  • Dispersão de gotículas
  • Superfícies
  • Objetos
  • Equipamentos
  • Transporte

 

Parques e Eco Parques

 

1. Recepção, atendimento inicial e estrutura de apoio

  • Entrevistar e testar visitantes com termômetro (temperatura de referências 37,8 graus) em caso de sintomas, seguir protocolo sintomático – encaminhar o cliente para o centro de enfrentamento do COVID – 19 nos dias de semana e nos finais de semana e feriados ao hospital Santa Therezinha.
  • Sinalizar e orientar a manter a higiene e distanciamento de 3 metros sem máscara e 1,5 metro com máscara.
  • Permitido somente em atividades aquáticas o não uso de máscaras.
  • Orientar o visitante a trazer máscaras e oferecer para os que não tem.
  • Comunicar o visitante como ele deve se comportar no espaço social e das atividades.
  • Instalar dispenser de álcool gel 70% nos locais estratégicos.
  • Adequar termo de conhecimento de risco com auto responsabilização do cliente, se possível digital, bem como vouchers.
  • Instalar nos balcões de atendimento barreiras ou cordões mantendo o distanciamento entre colaborador e visitante – principalmente antes do mesmo vestir máscara.
  • Evitar o recebimento em dinheiro e envelopar maquinas de cartão.
  • As superfícies de contato e objetos como canetas, maquinas de cartão, telefones e computadores deverão ser higienizados sistematicamente.
  • Colocar comunicação interna e externa visando informar riscos, procedimentos e monitoramento.
  • Eliminar utensílios que favorecem a contaminação como bebedouros, copos descartáveis e etc.
  • Evitar uso de guarda volumes, aluguel de calçados e demais gêneros que não são fundamentais para a prática das atividades. Caso mantenha deve garantir higienização constante.
  • Capacitar todos colaboradores em como orientar os clientes sobre as medidas de prevenção. Assim como pedir para que eles evitem cumprimentos com beijos, apertos de mãos e abraços e que não façam reuniões com mais de 10 pessoas.
  • Os vestiários deverão ser identificados com a capacidade máxima de pessoas. Higienizar minimamente a cada 3 horas.
  • Guarda volumes – higienizar minimamente a cada 3 horas.
  • Os parques e eco parques deverão atender apenas 50% do limite máximo de pessoas que consta no seu alvará de funcionamento. Inclusive seus restaurantes e bares.
  • Restaurantes e Bares possuem protocolos específicos disponibilizados e divulgados pela Prefeitura.
  • Os eventos de qualquer natureza estão proibidos.

 

2. Operação das atividades

  • Separar espaço de equipagem e desequipagem – visando maior higiene e diminuição do risco de contaminação. Proibido equipamentos no chão.
  • Fazer higiene completa dos equipamentos exatamente após o uso ou manter os equipamentos utilizados fechados de forma hermética, evitando contaminação.
  • Manter um guia acompanhando os visitantes nas cachoeiras, piscinas, lagos açudes entre outras, o mesmo deve estar focado no cumprimento do distanciamento e controle de número de pessoas, nestes espaços deverão ter sinalizações da necessidade de distanciamento e capacidade de pessoas.
  • As atividades de tirolesa, rapel seco ou na cachoeira deverão ser realizados de máscara, obrigatório higienizacão das mãos antes e depois da entrada na corda. As filas de espera deverão manter o distanciamento de 1,5 metros.
  • Os grupos das atividades verticais não devem passar de 10 participantes por vez.

 

3. Briefing ou instruções de segurança

  • Manter o distanciamento e obrigatório o uso de máscara.
  • Não promover contato entre cliente e colaborador.
  • Incluir no briefing informações quanto aos protocolos COVID-19.

 

4. Equipagem e equipamento

  • A equipagem deve ser realizada em local aberto e ventilado.
  • Todos equipamentos deverão ser higienizados antes do uso, não pode ser passado de uma pessoa para outra sem higienização adequada, incluindo remos, jaquetas, coletes, botes, capacetes, quadriciclos entre outros.
  • Separar espaço de equipagem e desequipagem – Os equipamentos não devem estar no chão.
  • Os equipamentos deverão ser higienizados logo após as atividades, caso contrário, deverão ser depositados em compartimento hermeticamente fechado, livre da possibilidade de contaminação.
  • Neste momento os condutores deverão higienizar as mãos antes e depois de cada equipagem além das máscaras.

 

5. Operação – Transporte

  • O transporte deverá ter dispenser de álcool gel em todas as entradas.
  • O motorista deverá fazer o uso de máscara durante todo percurso, bem como equipe de trabalho e clientes.
  • Os transportes deverão se manter ventilados com janelas abertas.
  • No transporte deverá ser respeitado o distanciamento atingindo no máximo 50% da ocupação, incluindo equipe operacional. Quando possível devemos separar equipe operacional dos passageiros. A responsabilidade quanto ao transporte é das operadoras de aventura.
  • O transporte dos clientes e guias deverá ser higienizado antes da entrada dos passageiros.

 

6. Especificidade do Rafting

  • Os condutores deverão fazer o uso de máscaras de proteção durante todo percurso.
  • Os clientes deverão manter o máximo de distanciamento durante a descida, para isto deverão ser colocados apenas 4 passageiros de reservas diferentes, reserva de família pode chegar a 6 pessoas no máximo por bote acima de 13 pés, o “assento” ao lado do condutor deverá obrigatoriamente estar vago.
  • As atividades, durante a descida, que promovam aglomeração, não deverão ser realizadas, tais como: brincadeira do remo, escorrega, surf e algumas dinâmicas que promovam aproximação entre participantes e troca de equipamentos.
  • É recomendado que não seja oferecido qualquer tipo de comida ou bebida durante a descida ou na própria empresa de aventura (incluindo bebedouros etc). Caso a empresa ofereça a mesma deve se atentar a higienização de todos os recipientes e embalagens, assim como disponibilizar um funcionário para a entrega.

 

7. Colaboradores

  • Aferir a temperatura e entrevistar diariamente.
  • Capacitar todos colaboradores para orientar os clientes sobre as medidas de prevenções sanitárias. Assim como pedir para que eles evitem cumprimentos com beijos, apertos de mãos e abraços. E que não façam reuniões com mais de 10 pessoas.
  • Proibir ir para casa com uniforme.
  • É recomendado retirar bebedouros, cafezinho e etc. Caso a empresa ofereça a mesma deve se atentar a higienização de todos os recipientes e embalagens, assim como disponibilizar um funcionário para a entrega.
  • Escalonar a Alimentação da equipe, quando feitas em refeitórios das empresas e prever o distanciamento.
  • No momento da higienização dos equipamentos e transportes dos EPIS, os colaboradores deverão usar luvas impermeável, óculos ou viseira e máscara.
  • Fornecer e cobrar uso de EPI para colaboradores viseira ou barreira, cordão para atendimento, máscaras e luvas para operacional).

 

Referencias para elaboração dos protocolos

  • Manual Ministério do Turismo – Coronavírus
  • Manual Governo do Estado de São Paulo
  • COVID-19_Recommendations_Park_Operators.pdf (ITALIA)
  • selo-clean-safe-aat-com-inst-fisicas.pdf (PORTUGAL)
  • Adventure-In-The-Shadow-of-COVID-19.pdf.pdf (ESPANHA)